Por que regulamentar minha loja do Instagram?

Com a democratização do acesso à internet e os avanços tecnológicos e seus elementos correlatos, as relações e atividades humanas foram modificadas de maneira geral. Hoje, pagamos nossas contas, trabalhamos, organizamos nossa agenda, encontramos oportunidades e, principalmente, consumimos por meio da rede. Dificilmente encontramos alguma pessoa que não tenha, pelo menos, uma conta em alguma rede social, de modo que as que não têm representam uma exceção.

Segundo dados levantados pela Folha de São Paulo em 2017, o número de usuários ativos do Instagram no Brasil é de aproximadamente 50 milhões. Hoje, o número com certeza é bem maior. Assim, não é necessário ser um empreendedor nato, ou observar com um olhar técnico, para perceber que qualquer empreendimento ou ideia que consiga atingir pelo menos uma fração dos milhões de usuários possui um maior potencial de crescimento do que aqueles que não se envolvem com as redes sociais e, especialmente, com o Instagram. Entretanto, para atingir este sucesso no e-commerce, qualquer empresa necessita estruturada jurídica e comercialmente perante seus fornecedores, concorrentes e, principalmente, seus clientes/consumidores. Isto porque a elevada visibilidade proporcionada pela rede também pode gerar riscos, deixando o titular do negócio exposto.

Já imaginou como uma loja digital com milhares de consumidores/seguidores que não esteja devidamente regularizada corre riscos? Suas ideias, produtos, modelos e metodologias de trabalho, devido à alta exposição, podem ser copiados com certa facilidade, uma vez que é inevitável que um negócio que esteja prosperando não chame atenção.

Portanto, quem já está empreendendo ou ainda busca empreender com o e-commerce no Instagram, além de uma boa ideia, um bom produto/serviço, também deve ter em mente que por mais simples e informal que possa parecer vender em uma rede social, para se garantir o sucesso desejado com segurança, longevidade e autenticidade no mercado digital, uma estrutura básica é fundamental. Assim, tornar-se referência no ramo em que atua será apenas consequência do bom planejamento e da organização.

Diogo Henrique

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *